Você já ouviu falar na pedagogia traumatogênica?

 Você já ouviu falar na pedagogia traumatogênica?

Pedagogia traumatogênica é um termo cunhado pela psicóloga e terapeuta Alice Miller, que dedicou muitos anos de sua vida a investigar as origens e consequências dessa forma de educar e tratar as crianças.

Esse tipo de pedagogia trata e ensina a sujeição da criança à vontade do adulto.  Tem mais de três séculos, e suas raízes se baseiam no fato de que a “educação” de uma criança está acima de tudo, e os métodos que devem ser usados ​​para cumprir esse propósito não importam.

De  que se trata a “Pedagogia Traumatogenica”?

Essa pedagogia se baseia em diretrizes bem marcadas que serviram ou servem  de modelo de educação, que se repetiu de geração em geração.

Seu ensino é baseado no medo, no castigo, na chantagem emocional, na submissão, na repressão das emoções, no poder do adulto sobre a criança.

  1. Ele considera que uma criança “boa” é aquela que obedece sem questionar, que é ensinada desde cedo que a obediência é uma virtude.
  2. A dominação é outra de suas bases, pois diz que os pais ou adultos governam e os filhos obedecem, independentemente se o adulto está correto ou não. Capacitar o adulto para cometer abuso, tanto físico quanto emocional, na criança.
  3. A manipulação do adulto sobre a criança baseia-se no estímulo e na resposta por meio de punição ou recompensa, para fazer a criança se curvar à vontade do adulto.
  4. Na sua forma mais cruel, educa a criança dos golpes, gritos, insultos, castigos desproporcionais, humilhações.

 

Suas conseqüências

As consequências desse tipo de pedagogia mergulham a criança em grande confusão, pois ela não consegue compreender essa forma adulta de amar, afetando seu mundo emocional e centro psíquico, o que a leva a uma busca na idade adulta por uma figura de “autoridade” da qual necessita sua aprovação para se sentir bem.

 Uma das maiores consequências é que, aquela criança que cresceu educada na “pedagogia Traumatogênica” ao atingir a idade adulta, justificará os maus-tratos recebidos por seus pais, de uma forma ou de outra, acreditando que foi culpado de tal tratamento e que tudo foi em seu favor e bem-estar.

 Esse adulto que foi mutilado e despojado em sua infância de suas emoções, tanto físicas quanto emocionais, perdendo sua dignidade e inteligência, só tem duas opções:

  1. Tornar-se um ser submisso, dependente do outro, obediente, com uma auto-estima muito baixa, sem vontade e permitindo abusos de todos os tipos, aceitando a submissão como parte de sua vida.
  2. Tornem-se seres violentos, sem remorsos ou sentimentos, que procurarão seres mais fracos nos quais descarregam toda aquela raiva acumulada, ódio, nojo, desprezo pelo outro.

Um exemplo monstruoso que, como sociedade, ainda repudiamos, foram os campos de concentração onde se vê claramente o abuso uns dos outros, o ódio e o desprezo pela vida humana.

 Adolf Hitler, líder desse movimento e que causou tanto sofrimento a outros seres humanos, em sua infância também foi vítima de maus-tratos e espancamentos de seu pai, que tinha seus próprios fantasmas que o assombravam em decorrência de uma dolorosa infância, não resolvida  ou aceita.

 Adolf, apesar de ser para seus seguidores o mais poderoso e salvador de sua raça, teve muitas noites em que a memória de seu pai o atormentava e lhe causava angústia.  Isso o humilhou até a degradação, o torturou e o ridicularizou e sem nunca ter a proteção de sua mãe já que ela também estava completamente submissa ao marido, tornando-a cúmplice de alguma forma, criaram um adulto cheio de ódio, frustrado e sem remorsos o que o levou a se tornar o maior assassino de sua história.

Alice Miller nos diz que não é o trauma que adoece, mas o desespero inconsciente e reprimido de não poder expressar os traumas sofridos, a solidão e desesperança em que vive a criança, o desespero de não poder gritar suas necessidades , sentimentos de raiva, tristeza, humilhação e impotência.

Esses fatores levam muitas pessoas ao suicídio, acreditando que a vida é apenas sofrimento, mergulhando-as primeiramente em uma grande depressão existencial.

Caros leitores, este mês de fevereiro estou fazendo um chamado à consciência sobre a Não Violência às nossas crianças.

Seja solidário a esse chamado e comente em meus post no Instagram @magdalizbir

Se batermos em um animal, se pode ir preso, se batemos em uma pessoa na rua podemos ir presos, se batemos uma uma pessoa idosa podemos ir presos, se um homem bate em uma mulher pode ir preso. E porque quando se bate em uma criança isso é chamado de “educação?”

Fonte: No princípio era educação – Alice Miller

Por: Magda Lizbir Gomes

Terapeuta Holística e Facilitadora de circo de mães.
magda0333@gmail.com
@magdalizbir

Tel. : (+44) 7447608050