Vamos para África?

As caravanas do Fraternidades Sem Fronteiras são de puro amor:

Desde que a organização de ajuda humanitária internacional Fraternidade Sem Fronteiras foi criada em 2009 a movimentação dos seus voluntários é cada vez maior e mais intensa. Com projetos assistenciais e educacionais que atendem mais de 18 mil pessoas em 8 diferentes localidades no Brasil e na África, a força da fraternidade se expande cada vez mais.

Os caravaneiros das mais diversas áreas, já visitaram vários lugares em solo africano, assim como tem auxiliado muito em Roraima, no projeto Brasil, Um Coração que Acolhe no atendimento aos refugiados venezuelanos, no Instituto de Pesquisa Professor Joaquim Amorim Neto (Ipesq), que trata de crianças com microcefalia – localizado em Campina Grande, na Paraíba. E mais recentemente no Sertão da Bahia, onde a comunidade do Rio do Vigário, em Canudos recebeu há poucos meses a primeira caravana do Retratos de Esperança em parceria com a Fraternidade sem Fronteiras (FSF).

Em janeiro de 2019 o Fraternidade Sem Fronteiras realizou a primeira Caravana da família. Famílias inteiras, tiveram a oportunidade de viajar para Moçambique e passar uma semana em terras africanas no Centro de Acolhimento do FSF em Maputo. Como por lá também era período de férias escolares, assim como no Brasil, as crianças tiveram bastante tempo para aproveitar as visitas dos amigos brasileiros, que vivem no Brasil e também no exterior. Esta foi a primeira experiência como nos conta Rodrigo de Freitas, empresário, voluntário do projeto e coordenador da Caravana.

A ideia da Caravana da Família já vinha sendo pensada com muito carinho, nos conta Rodrigo, que viajou com sua esposa e os dois filhos de 6 e 10 anos. Isto porque, segundo ele, muitos padrinhos que participaram de outras caravanas tinham o desejo de levar seus filhos para viver esta experiência na África e despertar este sentimento fraterno nas crianças. Desta vez o critério era que a criança tivesse idade entre 3 e 12 anos e que um de seus genitores já tivesse ido até à África, como caravaneiro da FSF. Em seguida, abrimos também a oportunidade para pais padrinhos que ainda não haviam participado de nenhuma caravana.

“O objetivo foi proporcionar aos filhos das famílias brasileiras a oportunidade de vivenciar uma realidade diferente da experimentada por eles até o momento, capaz de contribuir para o aperfeiçoamento moral das crianças, pautado na caridade e no voluntariado, bem como promover para a criança africana a experiência de convivência com outras crianças, permitindo enriquecimento de suas vivências e que recebessem carinho genuíno, dedicado e desinteressado por parte de seus pares” completa Rodrigo que afirma ter se sentido muito feliz e lisonjeado pelo convite para coordenar a Caravana.

A experiência de Silvia Silva, voluntária do projeto desde 2015, residente em Londres, também foi muito especial. Ela que já havia estado na África em outras duas caravanas e desta vez levou a sua filha Sophia de 6 anos.

Silvia  conta que estando em Maputo em 2016  entendeu que muito mais importante do que a ajuda financeira, ela já havia participado de uma outra ONG e adotado uma outra criança a distância anos atrás, era a possibilidade de estar próxima dessas pessoas, para exercer essas virtudes da fraternidade e da solidariedade. Ela diz que não pode afirmar exatamente como foi a experiência para a pequena Sophia, mas conta o que percebeu através das suas atitudes e comportamento.

Ela estava sempre muito feliz, ela se deu muito bem com as crianças. Eles faziam carinhos, se beijavam e abraçavam, ela brincava na terra. Muitas coisas que ela nunca tinha vivido. Fazer brincadeiras bem simples, por exemplo, coisas que ela não estava acostumada…

Silvia conta que já havia envolvido Sophia desde o início do voluntariado com FSF, que já havia conversado com ela sobre a ida para a África, mas que ela não acatou a ideia num primeiro momento. Mas por influência de uma das suas professoras, que havia ido com Silvia para Moçambique na caravana da educação, ela se sentiu mais confiante e mais animada com a viagem. “Ela sempre participou dos eventos do Fraternidade e hoje acabamos envolvendo toda a escola dela. Eles realizam eventos durante o ano para arrecadação de fundos e apoiam 3 organizações não governamentais.  Uma dela está sendo a Fraternidade Sem Fronteiras”.

Posso afirmar 100 por cento que a viagem valeu a pena, porque o amor vale a pena. A experiência foi de profunda educação emocional, ética, para mim e para minha filha. Como mãe vejo a importância do desenvolvimento desses valores. Agora é colocar em prática isto que a gente viveu na África, para que eu possa continuar envolvendo a Sophia nas tarefas, lembrando sempre em pôr em ação aquilo que ela vivenciou por lá.

E você quer participar de alguma caravana para Moçambique?

A estadia é de normalmente 10 dias. É importante programar a viagem com antecedência já que são necessárias vacinas e o requerimento de visto.

O nosso projeto em Moçambique está dividido em categorias que melhor se adequam às competências dos nossos dedicados voluntários. A categoria família, para famílias que desejam apresentar seus filhos ao nosso projeto. Geral, aberto a todos com um coração afetuoso e cheio de vontade de ajudar. Caravana da Saúde, mais adequado para médicos, dentistas e assistentes. Da Educação, mais voltada para professores e voluntários que desejam trabalhar em estreita colaboração com as crianças. E a das Artes, para aqueles com habilidade artística para compartilhar.

Todos são bem-vindos!

Programa Caravanas Moçambique 2019

  • Abril de 20 a 30 – Educação
  • Maio de 10 a 19 – Artes
  • Junho de 07 a 16 Geral
  • Julho de 12 a 21- Saúde
  • Agosto de 09 a 18 – Geral
  • Setembro de 13 a 22 – Geral
  • Outubro de 05 a 15 Educação
  • Novembro de 11 a 20 Geral
  • Dezembro de 07 a 17 Educação

Venha fazer parte do nosso grupo de voluntários, mesmo que você não vá até a África, sua contribuição e colaboração por aqui será muito importante.  Trabalho não falta. Mãos à obra!

Para mais informações entre em contato: info@fraternitywithoutborders.co.uk (UK) ou contato@fraternidadesemfronteiras.org.br (Brasil) www.fraternitywithoutborders.com

Por Katia Fernandes  Jornalista voluntária do Fraternidade sem Fronteiras.

Compartilhe: