Stress e Dor Cervical

No estilo de vida moderno, sinais de stress tem sido cada vez mais frequentes. Caracterizado por um conjunto de sintomas físicos e emocionais, o stress é um estado de tensão que rompe com o equilíbrio interno do indivíduo. Embora visto como experiência negativa, a psicóloga Daniele Nonnenmacher ressalta que o stress é apenas uma resposta natural de proteção e adaptação do nosso corpo diante de uma situação (real ou não) de ameaça.

A osteopata Luciane Alberto relata que é muito comum pessoas com dor cervical apresentarem altos níveis de estresse (geralmente fora de controle), o que é explicado pelas reações químico-hormonais do nosso corpo, que entra num estado primitivo e automático de “luta ou fuga”, liberando mais cortisol – hormônio relacionado com aumento da percepção da dor – e diminuição dos hormônios produzidos pelo corpo que auxiliam na redução da percepção da dor.

O sintoma de dor comumente aparece quando o estresse está elevado, porque temos a tendência de proteger a cervical – que é uma área vulnerável e com pouca proteção – elevando os ombros e abaixando a cabeça (fazendo do corpo um “alvo menor” a ser “atacado”), gerando maior tensão na musculatura que recobre esta região.

Sem o devido cuidado, um ciclo entre a tensão resultante do stress e a dor pode facilmente ser estabelecido, uma vez que a dor também tende a aumentar o stress. De acordo com a psicóloga Daniele Nonnenmacher, a exposição a situações estressoras intensas ou mesmo prolongadas causam extremo desgaste no indivíduo, trazendo prejuízos para saúde física e emocional, sendo fundamental aprendermos a mantê-lo sob controle.

Dicas que ajudam a manter o Stress sob controle:

  • Manter uma alimentação adequada;
  • Realizar atividades recreacionais que auxiliam na sensação de prazer e bem estar (relaxamento, massagem, caminhadas ao ar livre);
  • Praticar exercícios físicos pois ajudam na diminuição da sensação de dor;
  • Em casos mais sérios o acompanhamento psicológico é indicado com intuito de trabalhar aspectos emocionais e estratégias de enfrentamento.

Compartilhe: