PROCURA-SE Felicidade

“Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade”. Essa foi a definição dada por Carlos Drummond de Andrade, simples e direta e que traduz o que os especialistas na ciência da felicidade afirmam hoje em dia.

É Preciso diferenciar felicidade de alegrias. A felicidade habita em coisas sublimes e que normalmente não tem preço. Como por exemplo: o nascimento de um filho ou abraço de um pai. Sorrir sem motivo é ter uma sensação dessa nossa existência é válida por si só é a mais perfeita tradução de felicidade.

Existe uma máxima quem diz ”dinheiro não traz felicidade”, que até certo ponto é verdadeira, quando se refere ao fato de que o dinheiro não é capaz de comprar amor, confidencialidade, cumplicidade, respeito e admiração. Entretanto quando se tem tudo isso. O dinheiro se torna um instrumento capaz de trazer conforto e tranquilidade aos que buscaram em primeiro lugar essa tal felicidade.

Por outro lado alegrias são momentos passageiros não estão baseados em nenhum dos itens acima, ou seja não temos a garantia de que momentos alegres possam de fato sustentar nossa vida e a nossa existência. No meio da balada normalmente o ser humano está alegre, sorrindo, todo vapor produzindo adrenalina porém algumas horas depois existe uma grande possibilidade de uma enorme tristeza se estabelecer e assim acabamos por perceber que alegrias são normalmente passageiras e voláteis.

Quero tomar a liberdade de te fazer umas perguntas para que você possa refletir:

  • Sua vida tem tido mais alegrias do que felicidade?
  • Você tem a sensação de estar buscando algo que nunca encontrar?
  • Se Seus dias terminassem hoje, você poderia dizer que sua sua vida valeu a pena?

Pode parecer que a felicidade não tem sido estudada de forma científica, com métodos estabelecidos de pesquisa, mas na verdade tem sido sim, e como! Com a humanidade a beira de um colapso, com o crescente número de pessoas sofrendo de ansiedade e depressão, é mais que urgente que possamos resolver esse impasse, essa dificuldade que a vida moderna nos impôs.

Sabemos hoje que a felicidade torna nosso cérebro mais produtivo, ficamos mais inteligentes e focamos mais em nossos objetivos. Nosso corpo necessita de maior produção de ocitocina, hormônio do amor, do que adrenalina, hormônio ligado a fuga, luta e medo. Nosso cérebro precisa de altos níveis de dopamina e serotonina, neurotransmissores ligados ao bem estar e a produtividade mental, de forma que possamos produzi-los naturalmente e não através de medicamentos.

Algumas dicas para quem está “A procura da felicidade”

  • Evite companhias que têm objetivos diferentes dos seus, especialmente quando se trata de pessoas negativas;
  • Pratique atividade física regularmente, essa é uma forma de estimular a produção de Neurotransmissores;
  • Foque em atividades que tragam prazer associado a felicidade e não somente a produção de adrenalina;
  • Leia mais, estude mais e aprenda constantemente. Seu cérebro tem fome que aprendizado E assim como não devemos comer alimentos prejudiciais, não podemos alimentar o cérebro com futilidades e nem deixar faminto, consumido pelo ócio;
  • Promova atividade de serviço ao próximo, a sensação de vida com propósito eleva os nossos padrões cerebrais;
  • Procure se conhecer mais, invista tempo e dinheiro ser necessário para seu autoconhecimento.

Não precisamos ser ricos para sermos felizes, mas sermos felizes em primeiro lugar e todas as demais coisas mas serão trazidas por acréscimo. E no mais, como dizem os ingleses, don’t worry, be happy! Se compararmos isso à palavra de Deus que diz: “não andeis com vãs preocupações”, veremos que há semelhança e mais. A ciência chega à mesma conclusão!

Um grande abraço e uma vida feliz!

Por: João Paulo Gurgel
Neurociência Clínica / Emocional Coaching
Atendimentos e agendamentos:
www.joaopaulogurgel.com
Tel.: (+44) 07521620080

Compartilhe: