Jovens e seus direitos humanos serão os mais afetados com o Brexit

Se por um lado o futuro dos imigrantes no Reino Unido parece incerto, de outro temos a certeza de que não será fácil. Pesquisas como: Anistia Internacional UK apontam que 79% dos jovens entre 18 e 25 anos são os que estão mais preocupados com a perda de direitos quando o Reino Unido deixar a União Europeia. Vale ainda ressaltar que as pessoas abaixo de 45 anos foram majoritariamente contra o Brexit e a população mais velha a favor. Somado a isso, temos pela frente a maior possibilidade de reescrita de leis protetivas dos direitos humanos residentes no Reino Unido vistas neste século: vida privada, direitos trabalhistas, mulheres, migrantes, postulantes de asilo e crianças encontram neste momento imensa insegurança em relação aos seus direitos.

A preocupação maior envolve pessoas em situação de vulnerável  e imigrantes ilegais, que se encontram ainda mais instáveis no país e contam com menos apoio do governo. Ms Kate Allen, diretora da Anistia Internacional UK exemplificou a atual conjuntura: “de acordo com as propostas atuais os ministros não receberam apenas um cheque em branco, mas um talão de cheques inteiro para editar as leis e as proteções atualmente garantidas aos cidadãos a portas fechadas, sem a devida consulta do parlamento e a devida garantia dos nossos direitos. Não é de se espantar que os jovens achem isso suspeito e preocupante”.

Há que se considerar, no mesmo sentido, a possibilidade do Reino Unido deixar a União Europeia sem um acordo, seguido de um período de 21 meses de transição em que tudo estará em risco: importações, exportações, voos do Reino Unido para outros países da Europa, vistos para entrada em outros países etc.

De qualquer maneira, nada concreto poderá ser afirmado ate o dia 29 de Marco de 2019, quando espera-se que a comunidade brasileira esteja devidamente regularizada no país. Até lá, a maior preocupação dos imigrantes ilegais no Reino Unido deverá ser, ao menos, a tentativa de regularizar sua situação. Seja pelo tempo de estada no país, pelos filhos matriculados na escola ou pela existência de obstáculo que impeçam a reintegração no Brasil, a melhor estratégia é a de aplicar o quanto antes para um pedido de visto para o Home Office.

Eu, Gustavo Bussmann advogado da Farani Taylor Solicitors atuo como expert e curso atualmente o último ano de seu PhD. Minha atuação em Direito Internacional na proteção de Direitos Humanos há 07 anos garante a melhor atenção para o seu caso e me disponho a uma consulta gratuita pelo email: gustavo@faranitaylor.com

Compartilhe: