Eu Perdôo, mas…

A confiança não é mais a mesma! É muito frequente termos este tipo de reação quando alguém nos machuca. Achamos até que perdoamos, mas a lembrança daquele ato sempre ficará registrado no nosso coração, e a qualquer pequeno sinal daquela situação se repetir a bandeira vermelha é acionada, como um sinal de alerta.

Porém, quando somos nós que cometemos alguma ofensa, o nosso desejo profundo é que as nossas ofensas sejam perdoadas, assim como nós perdoamos os que nos tem ofendido.

Este ensinamento nos convida para compreendermos que o amor é justo, e que segue uma ordem e uma medida, a medida do equilíbrio. Toda ação tem uma reação, o equilíbrio entre perdoar e como eu perdoo, é igual a receber conforme eu oferto.

Como não nos ofendermos com as atitudes dos outros?

Se compreendermos mais, com certeza nos ofenderemos menos, até chegarmos ao ponto de que, as atitudes dos outros não serão mais motivos de ofensas, pois compreenderemos que isto não nos pertence.

Se continuarmos ainda nos ofendendo e termos dificuldades em esquecer as ofensas causadas, como poderemos esperar que o universo tenha compaixão em perdoar ou esquecer as nossas falhas?

A vida nos oferece todos os dias inúmeros convites para auxiliar o nosso despertar… Estes convites vêm cheios de ensinamentos na medida certa para que nossa caminhada seja mais fácil. Por que então ainda somos teimosos e não aceitamos estes convites que a vida nos oferece? Por que não começamos a praticar, não olhando mais para aqueles que nos ofendem como se fossem nossos inimigos?

A hora de despertar é agora! Hora de nos conscientizarmos que todos nós estamos a serviço uns dos outros: ensinando e aprendendo! O maior perdão que devemos ter é para conosco.

Ainda não conseguimos ver o outro como sendo “nosso irmão”.

Quanta ousadia a nossa acharmos que temos o poder para perdoar… Quem somos nós para perdoar?

Podemos sim, aceitar e entender,  que o outro também está aprendendo, tanto quanto nós. Quando eu compreendo esta máxima, eu entendo que ele fez como sabia fazer, e se não fez melhor, é porque ainda não estava pronto. Como  diz o ditado popular: “não se pode colher a fruta do pé sem que ela esteja madura corre-se o risco da mesma apodrecer…”

Sem nenhuma exceção, um dia seremos todos frutas maduras, todos APRENDEREMOS!

Nosso destino é a perfeição, porém  somos todos aprendizes neste caminho da evolução, aprendendo e ajustando, hoje somos melhores do que fomos ontem, somos a melhor versão de nós mesmos, e amanhã, um novo eu irá amanhecer ainda melhor do que foi hoje, com uma nova chance para recomeçar.

E dessa maneira vamos seguindo, com amor, amor para conosco e para com todos aqueles que ainda não conseguiram compreender esta lição.

Com este amor no coração vamos ter compaixão em olhar para todos aqueles que nos ofenderam, não como nossos inimigos, mas sim, como a peça fundamental que contribuiu para poder sermos melhores.

Portanto, sabe aquela pessoa que te ofendeu, que causou uma dor no seu coração, que te trouxe desgosto, decepção ou prejuízo?

Quer um conselho?

Não perdoe esta pessoa!!!! Simplesmente compreenda-a! E se possível dê a ela a chance de reparar o estragado ou a dor causada.

Na cultura japonesa, quando uma peça de porcelana se quebra, esta peça não é jogada fora, ela é recuperada e colada. Esta técnica de tamanha sabedoria é conhecida como: “kintsukoroi”, é adicionado pó de ouro na cola e em seguida é usado para colar a peça quebrada

A porcelana anteriormente quebrada é então restaurada e passa a ter muito mais valor comparado ao que tinha antes.

Portanto, quando damos a chance aqueles que nos ofenderam para reparar o estrago que fizeram, estamos permitindo ao outro a chance de restaurar esta relação, e com certeza será uma relação que terá mais valor do que tinha antes, pois a sua atitude de “dar a chance” vale muito mais.

Portanto, preste atenção com o falso perdão. Não perdoe simplesmente para dizer que perdoou e dizer: Ah eu perdoei, mas a amizade não é mais a mesma… Ou, eu perdoei, mas não esqueço… Se você se comporta assim, está tentando colar esta relação com cola barata, então faça diferente: coloque ouro na sua cola.

Vamos aproveitar este momento do ano onde nossos corações se enchem de alegrias e esperanças, e vamos dar a chance de sermos melhores e também a chance para o outro reparar suas faltas para conosco. Vamos abrir nossos corações e comemorar junto com o menino Jesus mais um Natal, mais um ano vivido, mais um ano vencido no meio de tantos aprendizados. Vamos seguir livres, vamos seguir leves! Adicionar ouro nas nossas relações… e assim com o coração em paz, poderemos prosseguir dizendo: Perdoa-me Senhor, assim como eu compreendo e perdoo os meus irmãos.

Compartilhe: