Emancipação da mulher, será que conseguimos?

 Emancipação da mulher, será que conseguimos?

O Dia Internacional da Mulher, originalmente denominado Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, comemora a luta das mulheres pela sua participação na sociedade para terem suas condições equiparadas as dos homens, emancipação e pleno desenvolvimento como pessoa. Foi institucionalizado pelas Nações Unidas em 1975 como Dia Internacional da Mulher e é comemorado todo 8 de março. Inicialmente, essa data remetia à reivindicação por igualdade salarial, mas, atualmente, simboliza a luta das mulheres não apenas contra a desigualdade salarial, mas também contra o machismo e a violência.

Pode parecer estranho para as novas gerações o fato de que, no tempo de nossas bisavós, a maioria das mulheres não trabalhava fora de casa, não tinha acesso a métodos contraceptivos, não podia se divorciar e nem mesmo votar. Todas estas conquistas são frutos do movimento pelos direitos das mulheres, cujo primeiro Dia Internacional foi comemorado há 100 anos…. Se  compararmos a vida das  mulheres no período da idade média com os dias atuais, são inúmeras as mudanças e vitórias, porém é muito pouco comparado a todo o sofrimento e humilhação que foram submetidas em todas as fases da história. Mesmo com os direitos garantidos por Leis, como o direito ao voto, Lei Maria da Penha, Licença Maternidade e outros, muitas ainda passam por situações de violência, sexual, financeira, religiosa, social e familiar, profissionalmente continuam sendo diminuídas e os salários ainda são inferiores, como seres humanos ainda são tratadas em alguns casos com inferioridade, submissão, quando na realidade estão prontas para desempenhar atividades que só os homens atuam, ainda melhor que eles, pois já demonstraram pé de igualdade em nível de intelectualidade com os homens.

Não podemos esmorecer e deixar de dizer que as mulheres tem direito de mostrar seus valores que são muitos, para uma sociedade machista e preconceituosa que até hoje impera de forma quase absoluta, não para ocupar os seus lugares na sociedade, mas  como individuais constitutivas desse sociedade compondo a regulação e a harmonia dela de forma vital no lar, na família, na sociedade, na política e no mundo. Neste século, temos um outro grande desafio quanto aos direitos da mulher. A violência doméstica, que antes era considerada um assunto familiar (em briga de marido e mulher, quem é de fora não mete a colher), diz o ditado popular, hoje conta com legislação específica em dois terços dos países, mas segue sendo uma realidade tanto em países pobres como ricos e independente da religião e cultura.

Convido os leitores a fazerem uma reflexão sobre este assunto tão importante que é a escolha dos nossos parceiros e a forma que educamos nossos filhos, pois tem relação direta com o que acontece na nossa sociedade.

Feliz dia da Mulher a todos os leitores da Revista Brasil na Mão.

 

Magda Lizbir Gomes

Terapeuta Holística e Facilitadora de Barras de Access.
magda0333@gmail.com

Tel. : (+44) 7447608050