Problemas conjugais? Todos nós enfrentamos!

Bem, como o próprio titulo da matéria diz, todos nós enfrentamos problemas conjugais sim, quem nunca!? Mas o grande segredo não está em negar que eles existem, mas enfrentá-los de frente, com foco na resolução das questões e nunca em quem tem razão. Recentemente nós mesmo enfrentamos uma crise, mas focamos no que é mais importante nesse momento: Ouvir, compreender, não julgar, perdoar e ajustar as velas para que nossa jornada prossiga da melhor forma possível. Nesse artigo, escrito a dois, queremos te ajudar com nossa experiência, não somente profissional, mas pessoal, pois se acreditamos que tivemos sucesso, você também pode ter se abrir-se a ouvir e compreender seu cônjuge através da perfeita linguagem do amor.  

O que eu fiz quando precisei superar uma crise? (by Marcela Ximenes)

Diante do quadro de uma crise, é necessário agir rápido. Muitas vezes, ela vem não só por um motivo específico, mas pela junção de várias pequenas coisas acumuladas e não conversadas  no decorrer do relacionamento. Quando acreditamos no valor da família e no projeto de Deus para cada um de nós, fica mais fácil reconsiderar. E foi esse o valor fundamental que me fez começar a agir.

Meu primeiro passo foi virar o holofote para mim. Pude reavaliar todos os meus erros, falhas e faltas no relacionamento. Parei de focar nas falhas do João Paulo e foquei em corrigir os erros que vinha praticando a tanto tempo. Compreender, aceitar e perdoar os próprios erros é um caminho certeiro para que o segundo passo funcione de forma menos dolorosa. Passado o meu momento de autoconhecimento, eu abri meu coração para ouvir o meu marido em sua verdadeira essência (confesso ter sido o mais difícil pra mim. Dói muito ouvir a narrativa dos nosso erros, e calar diante das verdades que não aceitávamos.)

Depois desse momento, Deus colocou no nosso caminho pessoas que já viveram essa experiência e puderam nos orientar da forma correta. Acredito que isso seja essencial no processo de reconstrução. Se durante o seu deserto não aparecer ninguém, procure. Isso faz toda a diferença.

E por último, estamos aprendendo diariamente sobre o amor verdadeiro, que mesmo com todos os defeitos, está alí, te rondando e esperando um mínimo espaço para entrar e ser vivido da forma real. É isso! Estamos conhecendo pela primeira vez um amor real, que apesar de todos os nosso defeitos, nos fez escolher permanecer juntos, virando a página da dor, caminhando de mãos dadas, em busca de conhecer o melhor de nós. Cavando a superfície para descobrir nosso diamante, que está lá dentro coberto com nossas cascas de falhas, defeitos, diferenças e desentendimentos.

Enfim, idealizamos e abraçamos o nosso propósito! Viver o amor é aceitar o desafio de descobrir no outro, todos os dias (difícil tarefa, mas não impossível) uma razão para continuar, um motivo para sorrir, uma causa pela qual lutar. Mas não esqueça: o seu diamante (seu cônjuge) está encoberto por uma crosta de areia grossa, e você precisar cavar todos os dias, para encontrar os valores daquele que você escolheu para dividir sua vida. Talvez no início a visão esteja turvada pelas mágoas. Mas, quer uma dica? Não olhe para ele e veja quem ele é ou foi, mas quem ele pode SER COM VOCÊ! Aprenda a transformar a dor em aprendizado, ressignifique as situações e seja responsável pelo seu relacionamento, assumindo com coragem o seu verdadeiro papel. Eu creio que Deus escreve certo por linhas certas! Todo relacionamento tem um propósito. Descubra o do seu.

O que eu fiz quando precisei superar uma crise? (by João Paulo)

Provavelmente seu cônjuge ainda não chegou em você para perguntar: “O que você quer me dizer sobre mim?” “Como eu posso ser melhor para você?”

Pensando sobre isso e tendo a certeza de que nunca havia feito isso antes, passei a ter um diálogo mais aberto, permitindo a ela apontar aquilo que havia em mim e que causava nela desconforto e até mesmo raiva. Procurei entender quem eu era de fato na cabeça dela, buscando alinhar a imagem que ela tinha de mim com a imagem que eu pensava ter para ela. Foi um susto! Percebi que faltava ainda muita coisa para que eu pudesse ser o marido que ela gostaria que eu fosse e que isso a impedia de ser a mulher que eu gostaria que ela fosse, afinal, casamento é uma via de mão dupla, uma estrada repleta de sinuosidades.

Nós homens, precisamos entender que as mulheres não ficam felizes apenas com a nossa presença de corpo, com as contas da casa em dia e que para elas sexo e amor são coisas complementares, porém bem distintas.

Além de tudo isso, é importante que saibamos que cada mulher é diferente e que a nossa tem suas particularidades. Você conhece bem sua esposa ou namorada? Percebi que para a Marcela a linguagem do serviço é bem mais forte que a linguagem dos presentes, e que a linguagem do tempo de qualidade é extremamente mais significativa do que a linguagem das palavras de afirmação.

Tendo virado essa chave só faltava agora uma coisa… Entender que amor é mais forte que paixão, pois essa última é cientificamente apontada como um estado de demência temporário com duração média entre 12 e 18 meses, com sintomas de ansiedade e obsessão. Portanto, investir em amor, sentimento sublime, duradouro e harmonioso, é bem mais eficaz que aprontar loucuras de paixão. Não que elas não sejam importantes, afinal o ser humano adora emoções fortes e diferentes, mas elas não sustentam a realidade do dia a dia, principalmente quando se trabalha junto (nosso caso) e quando se tem filhos pequenos que reclamam nossa atenção o tempo todo.

Essas medidas fizeram e estão fazendo uma grande diferença para nós, especialmente nessa nova fase madura e duradoura do nosso casamento!

Por: João Paulo Gurgel  e Marcela Ximenes
Life Coaches e Diretores do ICD Europa
joaopaulo@icdcoaching.com
Tel. 07521620080

Compartilhe: