Poluição do ar é pior nas salas de aula de Londres do que no exterior

Crianças em escolas de Londres estão sendo expostas aos níveis mais altos de poluição do ar dentro da sala de aula do que fora, colocando-as em risco de problemas de saúde ao longo da vida, revelou um novo estudo. Os cientistas estudaram cinco escolas primárias e uma creche na capital como parte da pesquisa sobre os níveis de poluição do ar em ambientes fechados. A pesquisa mostra que a poluição do ar ao ar livre de veículos a diesel e outras fontes, tanto de dióxido de nitrogênio quanto de poluição por partículas, está afetando a vida das crianças dentro das escolas.

O estudo, que foi encomendado pelo prefeito de Londres e realizado pelo Instituto de Design e Engenharia Ambiental da University College London e pelo departamento de química da Universidade de Cambridge.

As crianças pequenas que são mais vulneráveis a poluentes no ar do que os adultos estão respirando poluição de partículas finas (PM10 e ainda menor PM2.5) em níveis que são superiores às quotas anuais da Organização Mundial da Saúde de 10μg / m3 e 20μg / m3 respectivamente, disse o relatório. A poluição por partículas é um produto de veículos a diesel, poeira de pneus e freios e queima de combustível sólido, mas também pode vir de dentro de um edifício em si.

No caso do PM10, as crianças estão sendo expostas a níveis mais altos dentro de suas aulas do que fora na rua ou no playground, segundo o relatório. O relatório disse que um nível significativo de poluição do ar dentro de áreas urbanas deve-se à poluição externa que penetra nos edifícios. Alguns estudos indicam que o desempenho das crianças nas salas de aula é melhorado em temperaturas mais baixas com mais ventilação. As escolas estudadas eram um suburbanas modernas; uma escola primária longe das ruas de alto tráfego, uma escola primária vitoriana ao lado de uma rua movimentada, duas escolas semelhantes longe de áreas de alto tráfego e um prédio escolar suburbano moderno próximo a uma estrada principal.

“Crianças que vivem ou freqüentam escolas próximas a estradas de alta densidade de tráfego foram expostas a níveis mais altos de gases dos veículos motorizados e tiveram mais casos de asma infantil”

O estudo não exige que as salas de aula sejam isoladas da poluição externa do ar, já que a questão é complexa. As descobertas ocorreram quando o prefeito publicou sua primeira auditoria de poluição do ar em 50 escolas da capital e uma série de medidas para ajudá-las a combater o impacto da baixa qualidade do ar em suas escolas. O prefeito anunciou na quinta-feira a criação de um fundo de 1 milhão de libras para ajudar as escolas mais afetadas a trazer mudanças imediatamente. O dinheiro também fornecerá 20 creches com auditorias de qualidade do ar e filtros de ar interno.

Por: Mariana Husek Maestro

Compartilhe: