A importância de conhecer a árvore genealógica para poder curar sua vida

Sua elaboração ajuda a resolver problemas emocionais, financeiros e a melhorar relacionamentos e até mesmo compreender certas doenças.

Mais do que um desenho, é um acúmulo de dados ou histórias antigas, a árvore genealógica ou a história familiar de uma pessoa é fundamental para entender seu presente, suas circunstâncias ou os problemas que os afligem.

Não é em vão, que a psicologia, a psiquiatria e as terapias complementares empregam diferentes técnicas para descobrir como o inconsciente familiar interage com o inconsciente pessoal. Isto é, como o destino de uma pessoa está ligado às histórias vividas   de seus ancestrais ou ao sistema familiar do qual eles vêm. Essas diferentes técnicas terapêuticas, como a Biodescodificação, permite começar a curar e libertar os laços antigos e herdados, para tornar-se quem realmente é.

Em particular,  a análise da árvore genealógica, explica situações como estas: “Eu me qualifiquei, fiz um curso de pós-graduação e não posso trabalhar. Eu não trabalho no que eu me formei. Eu tenho problemas sexuais, neurose ou uma certa doença ou simplesmente, não consigo ter um relacionamento amoroso satisfatório, todos na minha família tem diabetes, todo dinheiro que eu ganho escapa pelas minhas mãos, eu só vivo perdendo dinheiro, trabalho muito e o dinheiro não chega ao fim de mês, são problemas cujas causas podem ser encontradas na árvore genealógica.

As famílias são complexas. “Eles são uma panela psicológica cheia de segredos, tabus, silêncios, vergonha. Somos portadores dos conflitos não solucionados de nossa árvore e que se manifestam em nós como um bode expiatório que nos faz sofrer, impedindo-nos de amar, prosperar, nos realizar … ser.

O mero fato de construir a árvore é uma grande ajuda, porque organiza o cérebro e incorpora experiências. “É uma consciência de quem você é, o lugar que você ocupa na família, as histórias que você herda, o que você teve ou faltou nesse núcleo e você percebe que você pertence a um clã.”

1. Quando você recebe o nome de um parente?

Você tem que ver qual foi o destino do ancestral, já que com o nome você pode herdar o destino. Muitas vezes, para carregar seu nome, herdamos doenças, ruínas econômicas, relacionamentos ruins, incapacidade de ter filhos e outras situações que limitam a pessoa a realizar o que desejar. Assim, veremos que os primogênitos da família, geralmente chamados de iguais, morrem em idade precoce da mesma doença, ou que uma mulher, por ter o nome de sua tia solteira, não pode ter um parceiro. E assim todos os conflitos possíveis podem ser repetidos levando o nome de um ancestral.

2. Quais informações eu preciso para criar uma árvore genealógica?

Nomes: Embora pareça óbvio, muitas vezes pode haver mudanças  de sobrenomes como por exemplo,  antes se escrevia Jimenez e depois passou a ser escrito Ximenez, e esta pequena mudança pode amargar nossa vida em repetição e perseguição.

Datas de nascimento e morte: São  os dados mais importantes para fazer a árvore genealógica. Podemos descobrir que um antepassado nasceu um dia, mas o registro recebe outra, e isso é porque a maioria dos nascimentos ocorreram em casa, e se ele estava muito frio, ou teve qualquer impedimento com certeza o nascimento ou baptismo foi feito alguns dias depois.

Datas de casamento e eventos importantes: Aqui a parte subjetiva é muito importante, eventos importantes dependem da pessoa que a vive. A morte de um amigo pode ser muito traumática ou a pessoa pode viver com um leve luto. O casamento é considerado um acontecimento importante na vida do antepassado, porque antigamente quando se casava era quando ele saía de casa.

Causa da morte: Conhecer a causa da morte de um antepassado pode nos dar pistas sobre se ele viveu uma situação crítica que não nos é explicada por não dar importância ou ter sido perdida ao longo do tempo.

Abortos ou nascimentos sem vida: Nos tempos antigos, os abortos eram ocultados pela vergonha ou porque eles o sentiam como um castigo divino, e às vezes encontrar um traço é praticamente impossível.

Segredos familiares: Em todas as famílias existem segredos que não são contados e se você vai fazer uma árvore genealógica para procurar por causas de sintomas, os segredos são essenciais.

Escala de irmandade: Devemos saber o número de irmãos que tem, se houve um aborto e que lugar específico o ancestral que procuramos dentro dos irmãos ocupa. Isso nos ajudará a relacioná-lo com o nível descendente.

Há muito mais contribuições que a árvore genealógica nos dá e é excitante investigá-la, já que carregamos em nossas células as informações de nossos ancestrais. Venha fazer a sua!

Por: Magda Lizbir Gomes
Facilitadora de grupos de mulheres que sofrem violência doméstica e dependência emocional.
magda0333@gmail.com
Tel. 07447608050

Compartilhe: