Candidíase vaginal

A Candidíase é uma infecção causada por um fungo comum que afeta a maioria das mulheres em algum ponto durante a vida. Essa infecção não é classificada como DST, porém pode ser transmitida durante a relação sexual. De 10 a 20% das mulheres apresentam Candidíase porém não desenvolvem sintomas.
Pode ser desagradável e desconfortável mas geralmente é facilmente tratada com cremes vaginais e medicações prescritas pelo médico.
No entanto, algumas mulheres sofrem constantemente com essa infecção e devem ser tratadas por um período prolongado.

Quais os sintomas mais comuns?

Coceira e ardor ao redor da vagina
Secreção vaginal branca leitosa ou grumosa – geralmente com cheiro característico
Dor ou desconforto durante a relação sexual
Queimação ao urinar
Por vezes, a pele ao redor da vagina pode ficar avermelhada, inchada ou apresentar fissuras.

Quando procurar o médico?

Você está apresentando infecção pela primeira vez ou que não apresenta melhora em 3 dias
Tem menos de 16 anos ou mais de 60 anos
Está grávida ou amamentando
Apresenta sintomas incomuns, como secreção amarelada ou amarronzado, odor fétido, ou feridas vaginas
Você tem sangramento vaginal anormal ou dor em baixo ventre
Apresentou dois ou mais episódios de infecção nos últimos seis meses
Você teve reação ao tratamento antifúngico no passado, ou não funcionou
Você ou seu parceiro já tiveram uma infecção sexualmente transmissível e você acha que pode ter retornado

É mais provável que você desenvolva a Candidíase se:

Tem de vinte e quarenta anos de idade – é mais raro porém pode acometer adolescentes e mulheres na menopausa
Está grávida
Mulheres que apresentam vaginismo (distúrbio que causa espasmos vaginais involuntários dificultando a penetração)
Mulheres que estão em uso de antibióticos ou apresentam diabetes não controlada
Pessoas com a imunidade debilitada como no caso de portadores de HIV ou em tratamentos de quimioterapia

O que fazer para prevenir?

Lave a vagina externamente com água e sabão emoliente ( hidratante – mas evite os coloridos e com perfume)
Evite duchas vaginais ou desodorantes vaginais
Evite calcinha ou calças apertadas
Evite o uso de protetor diário, se necessário trocar constantemente durante o dia
Se tiver diabetes certifique-se que o nível de açúcar seja mantido sob controle.
Não ficar por períodos prolongados com roupas de banho molhadas
Sempre manter uma higiene vaginal adequada.
Prevenir é sempre a melhor opção!


Por: Dra. Elisa Kajita
Private GP & Aesthetic Practitioner
drelisakajita@gmail.com
Tel. 077 6295 8739

Compartilhe: