Boris Johnson lança novo ataque ao livre comércio da UE

Boris Johnson deixou claro a necessidade de o Reino Unido sair “completamente” da união aduaneira (uma área de livre-comércio) da UE se o Reino Unido for um país comercial global. Johnson disse que sua recente viagem à América Latina, durante a qual ele instou o primeiro-ministro a “prosseguir com isso” e retirar a Grã-Bretanha da união aduaneira “o mais rápido possível”, deixou claro que potenciais parceiros comerciais queriam o Reino Unido depois que eles deixarem o acordo tarifário da UE.

Em uma entrevista para o Telegraph, Johnson disse:

“Agora é o nosso momento de não ser menos europeu – podemos fazer um grande acordo de livre comércio com a UE que beneficie ambos os lados – mas para ser verdadeiramente global novamente”.

Ele disse que era hora de criar acordos com os países dinâmicos que ele visitou, uma parceria com a América Latina só vai funcionar se o Reino Unido deixar a União Europeia de vez. Se o Reino Unido deve ser um parceiro comercial válido, então deve tomar o controle sobre sua própria liderança no mercado, e fazer negócios que são desimpedidos e pouco complicados.

Brexiters estão alarmados contra os atrasos na tomada de decisões sobre o futuro modelo alfandegário. Também o Reino Unido pode ficar amarrado às regras da UE por vários anos se ele não resolverem a questão das fronteiras irlandesas.

O último discurso do Secretário de Relações Exteriores veio depois que Jacob Rees-Mogg convocou May para tomar uma linha mais dura com Bruxelas nas negociações. Rees-Mogg, presidente do Tories European Research Group, disse que o governo havia proposto soluções super-complicadas para o problema alfandegário e deveria estar preparado para dizer a Bruxelas que sairia sem pagar a lei de divórcio do Brexit, quase 40 bilhões de dólares. Potencialmente deixando o bloco em vermelho.

No programa The Andrew Marr Show, da BBC1, Rees-Mogg disse que May havia cometido um erro sobre sua abordagem à questão da fronteira irlandesa, um dos aspectos mais contenciosos das negociações, descartando a possibilidade de manter uma fronteira aberta depois do Brexit.

“A Primeira Ministra disse em seu discurso na Mansion House que ela não iria fazer isso, acho que isso é um erro. Eu acho que é a posição de negociação óbvia para ter. Tendo em conta que a economia irlandesa depende fortemente do seu comércio com o Reino Unido, é da maior importância para a República da Irlanda manter uma fronteira aberta com o Reino Unido.”

Eles querem usar as cartas mais fortes para combater as negociações, para que o país não tenha que pagar uma taxa mais alta no fim do divórcio.

Por: Mariana Husek Maestro

Compartilhe: