6 das 12 mais conhecidas: Violências Contra a Mulher (parte 1)

A violência domestica é considerada como qualquer ato sexista que tenha ou possa resultar em danos físicos, sexuais, psicológicos, emocionais, trabalhistas, econômicos ou de propriedade ou sofrimento; coerção ou privação arbitrária de liberdade, bem como a ameaça de tais atos, sejam eles públicos ou privados.

Isso indica que não é apenas o abuso físico ou verbal a que uma mulher está sujeita, por ser mulher.Trata-se de outras formas de violência, muito mais escondidas do que algumas delas chamaram de “microviolência” que se perpetuam muitas vezes em espaços mais privados e dos quais pouco é falado

Ou, pelo contrário, são comportamentos que geram violência na sociedade que se tornaram recorrentes e tacitamente se tornaram comportamentos sociais aceitos, que são considerados “naturais”.

Uma das etapas fundamentais para acabar com este estigma é o reconhecimento público das diferentes formas de expressar a violência de gênero. Para este propósito, descrevemos os doze tipos mais comuns de violência contra a mulher:

1. Violência psicológica:

O abuso psicológico é uma forma de abuso mais sutil e difícil de perceber, mas não menos traumática para as mulheres que a sofrem. É todo um comportamento ativo ou omissivo exercido em desonra, desacreditar ou desprezar a dignidade pessoal, tratamento humilhante e vexatórios, vigilância constante, isolamento, marginalização, negligência, abandono, excessivo ciúmes, proibições, comparações destrutivas, ameaças e atos que fazem as mulheres vítimas diminuir a auto-estima, prejudicar ou perturbar o seu desenvolvimento saudável levando a depressão e até ao suicídio.

2. A violência sexual:

É uma conduta que ameaça violar o direito das mulheres a decidir voluntariamente e livremente a sua sexualidade, incluindo não apenas no ato sexual, mas todas as formas de contato, acesso sexual, genital ou não genital, como atos de violência lascívia  e violento acesso carnal ou a violações propriamente dita. O uso da força, a intimidação dentro do mesmo casamento, e de outras relações vinculantes como a de parentesco, a prostituição forçada, a exploração, a escravidão, o assédio, o abuso sexual e o  tráfico de mulheres.

3. Violência econômica e financeira:

A violência patrimonial e econômica é considerada qualquer conduta ativa ou omissiva que, direta ou indiretamente, nas esferas pública e privada, que visa prejudicar bens móveis ou imóveis  ao patrimônio das mulheres ou da propriedade em comum. Também tem como objetivo causar prejuízo nos recursos econômicos ou patrimoniais da mulher, através da perturbação da apropriação de sua propriedade e bens, perda, subtração, destruição, retenção ou  indevida de objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, ativos, valores e direitos econômicos. Inclui qualquer ato que gere limitações econômicas destinadas a controlar sua renda ou a privação dos meios econômicos essenciais para viver.

4. Violência simbólica:

É exercida através de padrões estereotipados, mensagens, valores, ícones ou sinais que transmitem e reproduzem relações de dominação, desigualdade e discriminação nas relações sociais estabelecidas entre pessoas e que naturalizam a subordinação das mulheres na sociedade.

5. Assédio ou acosso:

É todo um comportamento abusivo e especialmente comportamentos, palavras, atos, gestos, escritos ou mensagens eletrônicas visando perseguir, intimidar, chantagear, assediar, acossara,  monitorar uma mulher e violar sua estabilidade emocional, dignidade, prestígio, integridade física ou psíquico, ou que possam comprometer seu emprego, promoção, reconhecimento dentro ou fora do local de trabalho.

6. Violência Doméstica:

O comportamento ativo ou omissivo, constante ou não, de força física ou violência psicológica, intimidação, perseguição ou ameaça contra uma mulher por um membro ou grupo familiar, pessoa com quem mantém  ou manteve uma relação afetiva, ascendência, descendentes e familiares colaterais consanguíneo ou afins, independentemente do espaço físico onde ocorre, e que prejudique a dignidade, o bem-estar, a integridade física, psicológica, sexual, econômica ou patrimonial, a liberdade, incluindo a liberdade reprodutiva e o direito ao pleno desenvolvimento de mulheres. Inclui relações atuais ou relações passadas , não sendo obrigatória a convivência.

 

Há também ações que provocam frustrações, rejeições, comparações, desqualificações, chantagens e ridicularização da mulher. É uma agressão Não evidente e sutil, camuflada após outros comportamentos como proteção, elogio, desapego, espontaneidade, mensagem dupla, ambiguidade , diz sim a tudo para não entrar em conflito mas depois agride indiretamente para que o outro seja aquele que inicia o mal-entendido.

  • Face aos problemas históricos de violência contra a mulher, certas legislações contemplam uma discriminação positiva relativamente à mulher ao protegê-la em relação ao homem.
  • Convém destacar que, de acordo com várias estatísticas, uma em cada quatro mulheres terá sido abusada sexualmente (violação), ao passo que cerca de 120 milhões de mulheres já foram submetidas a mutilações genitais.
  • A lei  dispõe de instrumentos para punir a discriminação e a violência, a ideologia e preconceito que as sustentam mas somente podem ser combatidas pelo debate amplo e persistente, única arma para sua desconstrução.

Por Magda Lizbir Gomes
Tel. 07447608050

Facilitadora de grupos de mulheres que sofrem violência doméstica e dependência emocional.

Fontes pesquisadas: Organização Mundial de Saúde.

Eleonore Pourriat, no curta-metragem Majoritée oprimée. Eleonore Pourriat (França, 2014, 10 minutos)

Busque ajuda: http://lawadv.org.uk

Compartilhe: